Materiais de desenho #3: Lapis de Cor

Nessa série de posts, eu falo sobre materiais de desenho. Essa série é voltada não só para iniciantes, mas para todos os interessados em material de arte e curiosos de novos materiais. O post dessa vez é sobre lapis de cor. Vamos conhecer os tipos mais comuns e os melhores papéis para usar. Vamos?

Lápis de cor (normais)

Lápis de cor são divididos de acordo com o efeito que conseguem dar. Apesar de riscarem em todo tipo de papel, ainda assim existem folhas pensadas para a pressão do lápis nas camadas, para criar uma pintura uniforme sem marcas. Lápis de cor normais precisam de mais pressão e força para a cor sair forte e sólida, por isso escolha um papel que seja liso e sem textura. Folhas 90 e 100 g/m² sem textura são as mais indicadas, embora precise de paciência para preencher a cor sem formar riscos na pintura. Também usado para começar rascunhos de desenho, principalmente na cor azul claro, pois se usada de forma bem suave, o scanner não consegue ver a cor e acaba ignorando os riscos de rascunho.

Lápis de cor aquareláveis

Iguais aos lápis de cor normal, com a diferença que pode-se pegar um pincel com pouca água e criar efeito aquarelado no desenho. Algumas marcas de lápis aquarela, como a Staedler, possuem pigmentos fortes que funcionam perfeitamente para a aquarela, mas como lápis sozinhos ficam granulados. Faber Castell (nacional) é uma boa marca com preço justo, mas os melhores lápis são os Supracolor Soft da Caran D’Ache e os Albrecht Durer, da Faber Castell Alemã. O papel indicado é acima de 200 g/m², sem textura. Para aquarelar, o ideal é um papel de 230 g/m² ou superior.

Lápis de cor pigmentado

Diferentes dos lápis de cor normais e dos aquarelados, os lápis de cor mais pigmentados são mais difíceis de controlar, pois com o papel errado ou a pressão da mão errada podem acabar com todo o efeito do desenho. Mais indicados para trabalhos que envolvam muitas tonalidades, eles tem uma facilidade de interação entre as cores. Não criam efeitos aquarelados, pois não reagem à água, mas são os mais indicados para usar em conjunto com as canetas markers. Os mais conhecidos são os Polycromos da Faber Castel Alemã e Pablo da Caran D’ache. Existem papéis especiais para esses lápis, e aconselho pegar o papel que menos tiver ondulações ou texturas.

Lápis de Cor pastel

Com a mesma composição de um giz pastel oleoso ou seco, só que na versão em lápis. Garante uma cor forte com poucas passadas, mas é preciso ver com qual técnica será usado para evitar granulação ou manchas no desenho. O lápis pastel seco é indicado para usar com folhas levemente texturadas e misturar os lápis entre si usando um pincel mais duro. O lápis oleoso cria cores fortes mas com granulações, ótimo para imitar o efeito de giz de cera.

Qual é seu lápis favorito? Eu amo os lápis pigmentados, mas estou sempre comprando um ou outro de outros tipos para experimentar e inventar novas técnicas.

Você ja conhecia esses ou acabou conhecendo coisas novas? Deixa aí nos comentários para conversarmos!

Deixe uma resposta